Logo Liga das Noivas
Cantoneira Cantoneira Cantoneira Cantoneira
Siga-nos no Twitter da Liga das noivas Acesse o facebook da Liga das noivas
Boneca Liga das Noivas - Beleza & Fitness

Antes H1Pernas lindas e lisinhas para elas….e eles também

varizesMulheres, quando marcam o dia do seu casamento, querem estar perfeitas em todos os sentidos, até mesmo em partes do corpo que sequer ficarão expostas, como as pernas (isso, é claro, se o vestido for longo, como a maioria prefere). E nessa região, além da celulite e flacidez, há outro problema que não pode ser resolvido fora dos consultórios médicos: as incomodas varizes. Além de esteticamente feias, o não tratamento desses vasos pode causar danos sérios, como a trombose. E tem mais: esse não é um problema que afeta apenas mulheres.

Conversamos com dois especialistas no assunto, os médicos Marcelo Monteiro e Leonardo Almeida, ambosangiologistas e cirurgiões vasculares, sócios da Clínica Inovas e especialista pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular – SBACV, que explicaram um pouco mais sobre o assunto.

1.       Quais são os piores sintomas das varizes além da estética?

As queixas mais comuns relacionadas às varizes, além das estéticas, são a sensação de peso e cansaço constante nas pernas, se acentuando ao longo do dia e piorando com longos períodos de inatividade. Pode acontecer coceira na região onde existam as varizes, e também inchaço principalmente nos tornozelos e pés. Nos casos mais avançados, podem ocorrer modificações na coloração e qualidade da pele, podendo levar à formação de feridas crônicas, as chamadas úlceras venosas.

2.       Quais os fatores de risco para ter varizes? Hereditariedade? Obesidade? Tabagismo? Sedentarismo? Tipo de alimentação? Fale sobre isso

O ponto central na doença venosa é a questão genética. É muito comum parentes próximos apresentarem histórico positivo para a doença. Os pacientes precisam entender que se trata de uma doença crônica e recidivante, não sendo possível sua cura, mas que deve ser mantida sob controle. Hábitos saudáveis de vida com certeza interferem na velocidade com que a doença vai progredir. O fator que mais interfere na piora da doença venosa é a gestação, ainda mais quando a paciente “emenda” uma gestação sobre a outra, dando pouco tempo para seu organismo recobrar a situação inicial. A gestação é um momento da vida da mulher onde os hormônios estão muito elevados, para criar um ambiente propício ao desenvolvimento do bebê. Esses hormônios levam a uma acentuada retenção de líquidos (para criar o bebê e seu ambiente intra-útero), além de causar flacidez nos tecidos maternos (para permitir a acomodação do bebê). O sistema venoso é o principal responsável por armazenar esse excesso de volume. Agora imagine se essas veias já apresentam uma tendência genética à dilatação (formação de varizes), estão submetidas à intensa ação hormonal, e ainda tem que armazenar um grande volume líquido! Está formado o cenário ideal para a formação de varizes. Existe, ainda, um fator mecânico da compressão sobre as veias abdominais que o crescimento uterino acaba causando no decorrer da gestação. Se associarmos ainda o ganho acentuado de peso durante a gestação, com certeza só irá piorar o quadro. A forma de se combater isso é através da manutenção de hábitos de vida saudáveis. O tabagismo é sabidamente muito prejudicial ao sistema circulatório, e portanto deve ser sempre combatido. A realização regular de atividades físicas, principalmente as aeróbicas, como caminhar, correr e pedalar, são de fundamental importância no controle da doença venosa. O sistema venoso dos membros inferiores é muito dependente da atividade muscular para realizar sua função de retornar o sangue da periferia corporal em direção ao coração. Para as gestantes, é muito importante um pré natal bem conduzido, mantendo atividade física regular sob orientação adequada e um controle nutricional para avaliar a qualidade do alimento consumido, e, assim, possibilitar um adequado controle do peso que permita um crescimento saudável deste bebê.

3.       Existe uma definição sobre grau, como na celulite? Fale sobre isso.

Existe uma classificação, mas de uso mais restrito ao âmbito médico, chamada classificação CEAP. Em relação as varizes, costumamos escutar a denominação “microvasos” para aqueles pequenos vasinhos avermelhados ou arroxeados, com seu calibre até 1mm. O termo “varizes” geralmente determina vasos de aspecto tortuoso, capazes de causarem abaulamentos na pele e serem palpáveis, causando um “relevo” alterado na pele. Mas as vezes percebemos varizes de calibre intermediário, não tão grandes para causar abaulamento na pele, mas de importância ímpar no tratamento das chamadas “varizes combinadas”, aqueles vasinhos verdinhos que as vezes encontramos nutrindo os vasinhos vermelhos.

4.       Todos os tipos de vasos têm como ser tratados?

Sim, todos os tipos de vasos têm como ser tratados. E é muito comum uma mesma paciente ter diferentes tipos de vasos, e, portanto, receber diferentes tipos de tratamentos. O tipo de tratamento vai depender, entre outros, do calibre do vaso a ser tratado. Os microvasos respondem muito bem ao tradicional tratamento por escleroterapia, onde uma substância é injetada no interior deste vaso, levando ao seu fechamento e absorção pelo organismo. Quando isso não acontece, devemos avaliar se esses vasinhos não estão sendo alimentados por uma veia nutridora, mais profunda e de maior calibre. Essas veias geralmente respondem muito bem ao tratamento através do uso do laser transdérmico NdYag 1064, capaz de tratar vasos de até 3mm e a até 5mm de profundidade na pele. Na clínica utilizamos um dispositivo de realidade aumentada para identificar estes vasos sob a pele. Se eventualmente os vasos forem mais calibrosos, costumamos indicar o tratamento por microcirurgia, realizado sob anestesia local e sedação leve, com alta para caso no mesmo dia da cirurgia, utilizando meias elásticas já ao sair do hospital. Agora, nos casos mais complexos, onde há o acometimento das veias safenas, o tratamento consiste na utilização de um laser a nível hospitalar, procedimento realizado também sob anestesia local, onde uma fibra ótica capaz de transmitir o raio laser é introduzida na safena através de uma punção guiada por ultrassom, sendo possível sua cauterização sem a necessidade de cortes na região da virilha, permitindo uma recuperação muito mais precoce.

5.       Varizes não tratadas podem gerar problemas futuros? Fale sobre isso.

Os problemas causados pelas varizes são normalmente locais à perna da pele. Em casos muito avançados da doença ocorre um processo crônico de pigmentação em bota, chamado dermatite ocre. Essa alteração na pele vai comprometendo a capacidade da pele se defender de agressões comuns, o que pode levar ao aparecimento de uma ferida de difícil cicatrização, chamada úlcera venosa de estase. Isso pode ocorrer em quadros tardios quando ocorreu uma trombose venosa não tratada de maneira adequada, a chamada síndrome pós flebítica.

6.       As injeções ainda são o único tratamento realmente eficaz?

Não. Hoje dispomos na clínica de todos os tipos disponíveis de tratamentos para vasos. Ainda fazemos muito uso da escleroterapia, que é a injeção intravenosa de uma substância irritativa, capaz de inflamar este vasinho e levar à sua absorção pelo organismo da paciente. Por uma questão de segurança, na intenção de se evitar reações alérgicas, usamos glicose concentrada a 75%. Uma outra ferramenta bastante utilizada por nós é o laser NdYag 1064, específico para o uso em angiologia, que tem como alvo o pigmento vermelho do sangue. Este dispositivo é muito útil para tratarmos veias de nutridoras nas pernas, as veias de face como aquelas ao redor dos olhos e na região das têmporas, além daqueles vasos vermelhos no nariz, queixo e bochechas. Dispomos também do tratamento de varizes mais calibrosas através da utilização de microespuma de polidocanol, guiada com aparelho de ultrassom disponível no consultório, indicada para alguns pacientes com um tipo específico de doença.

7.       Dentre os tratamentos mais eficazes, quais indicaria?

Essa resposta logicamente depende de cada caso. Atualmente, a grande maioria das pacientes, mulheres entre 30-60 anos, que não querem se submeter a procedimentos cirúrgicos e não querem se afastar de sua rotina diária, são tratadas através da combinação do uso do laser transdérmico e da escleroterapia, permitindo uma redução em cerca de 75% nas nossas indicações de cirurgia.

8.       Tais tratamentos causam dor? 

Essa é uma preocupação bastante pertinente. Todos os procedimentos realizados na clínica acontecem sobre resfriamento ativo da pele, utilizando um aparelho capaz de expelir ar a até -5ºC, o que causa uma analgesia na pele, tornando o procedimento bastante tolerável. Para as pacientes mais sensíveis, podemos fazer uso de antiinflamatório sublingual antes das sessões, mas isso raramente é necessário. Mas vale lembrar que isso sempre será respeitado, afinal, dor é subjetivo, difícil de comparar. O uso do resfriamento ativo da pele permite o tratamento extenso, até das duas pernas, em uma única sessão, por tornar o procedimento bastante tolerável.Vale ainda ressaltar que a grande maioria dessas pacientes já passaram por procedimentos dermatológicos como uso de Botox ou preenchedores faciais, além do uso de laseres para depilação ou tratamento de manchas, o que permite um padrão de comparação bastante confiável.

9.   Para mulheres que vão casar em breve e querem se livrar de varizes, com quanto tempo de antecedência devem procurar um angiologista?

Geralmente, esses procedimentos levam a formação de pequenas equimoses (roxinhos) no local do tratamento, desaparecendo normalmente entre 2 a 3 semanas pós procedimento.

10.   Mesmo fazendo tratamentos, elas podem voltar?

Sim. Vale lembrar que a doença é crônica e recidivante, e, portanto, não tem cura. O tratamento adequado leva a uma duração maior do período “sem vasos”. Mas da mesma forma que cuidamos dos nossos dentes, devemos programar uma visita regular ao angiologista, assim que começarem novamente a aparecerem os vasinhos.

11.   Para não voltarem, o que as mulheres devem fazer?

Para diminuir essa velocidade do aparecimento dos vasos, a recomendação é aquele que concerne à adoção e continuidade de hábitos de vida mais saudáveis. A atividade física regular, dedicada, ou seja, com o uso de calçados e roupas adequadas. A alimentação mais saudável, com menos sódio, com menos açúcares e gorduras, levando a uma menor retenção de volume. Essas medidas geralmente levam a um melhor controle do peso, o que acaba por contribuir para um melhor funcionamento do sistema venoso. Evitar o cigarro, já que sabemos de vários efeitos nocivos do seu consumo. Fazer um uso moderado de bebidas alcoólicas. Enfim, seguir todas as orientações que conhecemos tão bem, porém, relutamos tanto para colocar em prática.

12.   Homens também têm varizes. São os mesmos tratamentos e causas?

Com certeza os homens também têm varizes. O que acontece muito é que nas formas mais brandas da doença, nos chamados microvasos, esses geralmente passam desapercebidos devido aos pêlos que geralmente os homens têm nas pernas. Mas quando os homens apresentam veias calibrosas, a origem e os tratamentos propostos são os mesmos para ambos os sexos. É importante seguir as mesmas orientações para ter pernas saudáveis e portanto uma vida saudável!

 

 

Compartilhe:

Deixe seu comentário

Deixe o seu Comentário

Seu email nunca será publicado Campos marcado com * devem ser preenchidos

*
*