Logo Liga das Noivas
Cantoneira Cantoneira Cantoneira Cantoneira
Siga-nos no Twitter da Liga das noivas Acesse o facebook da Liga das noivas
Boneca Liga das Noivas - Tendência

Antes H1Descontraídos e maravilhosos

Personalidade dos pés a cabeça, literalmente. Foto Vou Casar e Panz

Personalidade dos pés a cabeça, literalmente. Foto: KA Studio

As pessoas mudam, os costumes também, e algumas tradições, com o tempo, vão caindo em desuso ou, simplesmente, sendo adaptadas ao perfil das pessoas. E esse é o caso das cerimônias de casamentos. Antes – há muitos anos, é claro – obrigatoriamente cheias de regras que muitas vezes não tinham a ver com o perfil dos noivos, atualmente, podem seguir os “mandamentos” mais clássicos, caso seja a vontade do casal; ou ser mais à vontade, mais despojado, se assim for o que os dois querem. Afinal, o importante é que o Dia D tenha a cara de quem vai casar, não é mesmo?

Lourdes Correia, da Etóile Casamentos e uma das organizadoras do Celebrar, feira de luxo do segmento de casamentos que vai acontecer em novembro, no Rio de Janeiro, explica que um casamento descolado se caracteriza pela leveza e descontração. É personalizado, a cara dos noivos, que participam de todos os momentos e curtem muito toda a organização. “Os amigos e padrinhos participam também. Geralmente, são casamentos mais intimistas, com familiares e amigos que fizeram e fazem parte da história do casal.”.

Mesa de convidados. Foto: Flavia Valsani

Mesa de convidados. Foto: Flavia Valsani

Já Priscilla Santana, a Prill, do Vou Casar e Panz, vai além e conta que o que caracteriza um casamento despojado é que os noivos priorizam o estar e o deixar os convidados à vontade, ao invés de se prender a protocolos ou quaisquer coisas ou situações que possam deixar alguém, noivos ou convidados, desconfortáveis de alguma forma. “Normalmente, os casais que buscam casamentos mais descontraídos e despojados são aqueles que optaram por um grupo menor de convidados e sentem que deveriam oferecer para aqueles escolhidos uma experiência mais íntima. Esses noivos costumam ter uma rede de amigos e familiares com quem possuem contato mais intenso, tendem a fazer no dia a dia programas descontraídos como barzinhos, reuniões em casa, na igreja, essas coisas. O casamento acaba sendo, dessa forma, uma versão ampliada das reuniões que esse casal já costuma frequentar habitualmente”, complementa.

Mas não pensem que, por ser um casamento assim, os noivos não possam seguir algumas tradições que julguem importantes. “Não necessariamente são dispensados todos os pontos tradicionais, mas muitos deles podem ganhar uma releitura a partir do ponto de vista do casal.”, diz Amanda Tschaffon, da Amanda Tschaffon Produção de Eventos.

Embora a formalidade não seja característica desses enlaces despojados, é importante lembrar que, o fato de ser mais informal, não quer dizer que seja menos doce ou emblemático.

A seguir, algumas dicas para casais que querem realizar um casamento mais despojado.

Roupas dos noivos:

Roupas com estilo dos noivos. Foto: Drika Landim

Roupas com estilo dos noivos. Foto: Drika Landim

“Se o casamento é descolado, já está cheio de marcas do casal. Então, os noivos estão livres para casar como realmente gostariam de estar e de acordo com a mensagem que eles querem passar. Como estamos tratando de casamento descolado, cada casal tem um perfil e não cabe definirmos um padrão de vestimenta.”, comenta Amanda. Prill acrescenta que o dress code vai depender muito do local do evento e do horário. “Um casamento na praia ou em um jardim, vai pedir roupas leves e calçado que deixem andar sem afundar na grama ou na areia. Se o casal está chamando todo mundo para uma roda de samba, vai prevalecer o vestuário colorido, descontraído e que presta tributo aos bambas com homens de chapéu e mulheres liberadas para abusar de roupas estampadas e acessórios floridos para a cabeça. Casamentos com pegada mais roqueira e hipster incentivam os convidados a ousarem nos acessórios: rolam composições com gravatas borboleta e xadrez, além de estampas geométricas, chapéus boho, casquetes e roupas escuras para as mulheres. O mais importante nesse ponto é que os noivos sinalizem no convite o tipo de traje para que ninguém gaste uma fortuna em um vestido longo de paetês ou em um terno completo formalíssimo.”, complementa Prill.

Padrinhos e madrinhas:

Assim como os noivos, padrinhos e madrinhas devem entrar na proposta do casamento, se adequando ao estilo de cada casal e de cada casamento.

Convite:

O formato do convite já é uma ferramenta ótima para dizer como será a cerimônia. Ele pode ser mais colorido, com letras menos rebuscadas, e com frases de efeito, que mostram como será o evento. O importante é que, novamente, tenham a cara do casal. “Hoje, existem vários tipos de convites com designs gráficos que se distanciam da formatação de convites tradicionais. Basta usar a imaginação para escrever frases convidativas.”, explica Amanda.

Ambiente descontraído. Foto: Flavia Valsani

Ambiente descontraído. Foto: Flavia Valsani

Cerimônia:

O casamento é um momento único na vida de um casal. E se querem comemorar com amigos e familiares, é porque dão importância a esse momento. Prill lembra que, apesar da informalidade desse tipo de casamento, os noivos costumam não perder de vista a dimensão do ritual de passagem que o dia vai representar. “Costumamos ter uma cerimônia que busca harmonizar a verdade do casal a uma certa aura de solenidade. Pode haver um celebrante religioso ou não, pode ou não haver votos, pode ou não haver entrada de padrinhos, mas, normalmente, a gente tem algum tipo de cortejo igual ao protocolo dos casamentos formais ou então adaptado ao que os noivos acham que faz mais sentido pra eles.”, comenta Prill.

Festa:

Assim como na cerimônia, a festa vai seguir a essência da identidade do casal. Além disso, diz Prill, tendo ou não pista de dança, a música costuma ser um ponto bastante importante nesse formato de festa. “Ela vai ser a alma da festa. Também é um ponto em comum nesse tipo de casamento que haja bastante circulação dos convidados por todo o espaço da festa. As pessoas se encontram, reencontram, conversam.”, completa.

Decoração:

Descontração. Essa é a palavra-chave na hora de decorar os espaços para esse tipo de casamento. Lourdes diz que, geralmente, a paleta de cores da decoração é de cores quentes ou vibrantes. Já os enfeites, podem, por exemplo, ser com origamis, tsurus e lanternas japonesas. Prill complementa, explicando que vale espalhar atrações como open bar, livro de recados, photobooth ou simplesmente uma câmera instantânea para que as pessoas interajam. Além disso, é importante também a distribuição dos lugares, como lounges, que fazem mais sucesso do que as mesas de convidados comuns, que, na verdade, acabam ficando meio abandonadas quando todo mundo sai para curtir o ambiente e música.

Bebidas e comidas cheias de graça. Foto: Flavia Valsani

Bebidas e comidas cheias de graça. Foto: Flavia Valsani

Cardápio:

Mas o que um ambiente descontraído assim deve oferecer para os convidados? Prill fala que, como os convidados estarão, majoritariamente, andando por todos os lados da festa, normalmente o serviço de comida e bebida é volante. “Mini porções e finger food são o mais legal nesse caso, mas, se o casamento for para até 50 convidados, um serviço de almoço ou jantar sentado não é problema. Também é possível fazer uma espécie de serviço misto com algumas comidas sendo servidas de maneira volante e outras empratadas ou servidas em pontos fixos de comida.”. Amanda complementa, sugerindo cardápios temáticos, que podem ser uma boa escolha para um casamento descolado. “Mas o que de fato não pode faltar em nenhum casamento em termos de buffet e bebidas, seja ele descolado ou tradicional, é a quantidade e qualidade. Deve haver uma quantidade que atenda de forma suficiente os convidados. Em relação a qualidade, isso não é sinônimo de sofisticação. Qualidade é usar ingredientes que sigam suas regras de conservação e, acima de tudo, a temperatura: servir quentinho o que é quentinho e frio o que é frio.”, especifica Amanda.

Horário:

Lourdes comenta que, geralmente, é realizado durante a tarde, ao pôr do sol e ao ar livre, seja na praia, na serra, em sítios e fazendas, ou na casa dos noivos. Prill lembra, também, que neste horário dá para fazer uma cerimônia com luz natural, bastante orgânica, com pôr do sol e, com o anoitecer, deixar as coisas com clima de barzinho ou balada. Entretanto, é importante dizer que, como disse Amanda, não há regras.

Casamentos descolados, normalmente, não seguem padrões. Afinal, o que o faz ser descontraído é exatamente a questão de não seguir regras, mas de realizar algo que tenha, por completo, os gostos e a personalidade do casal. E como diz Amanda, a única coisa que não pode faltar é o “Sim” por parte de ambos. De resto, tudo pode ser moldado conforme o casal deseja.

 

 

Compartilhe:

Deixe seu comentário

Deixe o seu Comentário

Seu email nunca será publicado Campos marcado com * devem ser preenchidos

*
*