Logo Liga das Noivas
Cantoneira Cantoneira Cantoneira Cantoneira
Siga-nos no Twitter da Liga das noivas Acesse o facebook da Liga das noivas
Boneca Liga das Noivas - Tendência

Antes H1Chá inglês com toque brasileiro

Lembro-me nitidamente do momento em que eu arrumava minha mala verde e grande para partir rumo a Inglaterra. Trancada no meu quarto que dividia com a minha irmã mais nova, e que antes eu dividia com a irmã mais velha (coisas de filha do meio), eu colocava cuidadosamente cada peça de roupa como se colocasse um plano e um sonho, um plano e um sonho. Enfiados na mala, o ideal e a pretensão do amor. Amor que estava me esperando em algum lugar da Inglaterra. Uma alma também perdida e infeliz feito a minha à espera da minha chegada. Um dia, uma coincidência aparente nos colocaria frente a frente e nos encontraríamos, finalmente.

De uma certa maneira, o amor foi que me tirou dali de Minas. Ou talvez a falta dele. Ou talvez a falta de compreensão do que é o amor. Ainda não sei. Amor de família, de amigos, isso eu tinha, e tenho, em uma abundância que até me comove. Mas eu queria o que nunca ia achar: um amor romântico na sua perfeição. Um amor que tivesse os mesmos interesses que os meus, os mesmos gostos, os mesmos objetivos e os mesmos princípios.

Chegando na Europa, dez dias depois do ataque nas torres gêmeas de Nova Iorque, eu encontrei romance. Aqueles primeiros meses quando tudo é tão lindo que você acha que não pisa no chão. Mas a tal danada da rotina, dos horários, do trabalho, das pressões, do dinheiro, da vida que se apresenta, dão um jeito de entrar no meio do romance mais ideal e nos colocam no nosso lugar. Nos mostram que não adianta muito achar e querer toda a perfeição. Uma hora ela desmorona, simplesmente porque ela não passa de uma ilusão. Uma vontade feita por nós mesmos.

Mas aí, o danado do tal tempo traz também um presente. Ele nos mostra que naquela mala verde, lá em Minas, recheada de brigadeiros e josefinas feitos com amor de fato, não estava o amor lá de fora. Estavam a esperança e a aposta que eu tinha em mim mesma. A vontade incontrolável de dar certo. E com a oportunidade que eu tenho de olhar pra trás e ver o tempo que era, passar os olhos no caminho e deparar-me com o tempo que é hoje, gosto de pensar que encontrei o amor.

Já encontrei alguns dos meus erros e acertos e encontrei até uma pessoa com gostos e interesses bem diferentes dos meus. Temos princípios e objetivos comuns, mas temos objetivos só nossos também. E, nessa imperfeição que é o amor, dá pra ser feliz. Mesmo que a felicidade seja uma alegria rápida que passa e você nem vê. Mesmo que a alegria tenha pressa e você perceba ela indo embora. E quando a euforia passa, tem gente que tem uma mão pra dar. Seriam a sorte e o amor que vêm com o tempo? Ou talvez sejam o tal carinho e o tal respeito mútuos. Aquilo que lá atrás a gente imaginava chamar amor.

Mas isso não é pra qualquer um. Uns têm amor. Uns têm sorte. Outros têm tempo.

Nara Vidal nasceu em Minas. Deixou a cidade de Guarani e fez Letras na UFRJ. Em 2001, mudou-se para a Inglaterra e morou também na Itália. Nara tem mestrado em Artes pela London Met University e colabora para publicações inglesas e brasileiras. Nara é autora de livros infantojuvenis como a série bilíngue “O Curioso Mundo de Amelie”, “Arco-íris em preto e branco”, “Pindorama de Sucupira” e “Viajar sem dinheiro e gafes internacionais”.

Nesta coluna, Nara vai trazer ideias e opiniões sobre a vida na Inglaterra, sobre os casamentos e tendências do velho mundo.

 

Compartilhe:

Deixe seu comentário

Comentários (6)

  1. Quem comentou Maria Izabel – Bebel:
    07/04/2014 | 22:07

    Gostei muito do texto e gostaria de ler outros.
    Parabéns mais uma vez Nara.

  2. Quem comentou Sujon:
    21/10/2014 | 4:06

    Check that off the list of things I was cofusned about.

  3. Quem comentou Ochupe:
    23/10/2014 | 1:13

    Hello~ Thanks for the comment .About those gadnres, you should definitely see them through your eyes before your camera, it was stunningly beautiful and peaceful. Have a cup of tea on the cool woodenly floor.For the film and how time and money consuming it is. I agree. When I was living in London before, to develop a roll of 120 will take up to 2 weeks. But in Japan, all the best films are available in all the big electronics shops and developing takes 2-4 days. So this will be my only chance while I am here

  4. Quem comentou Fadwoi:
    18/02/2015 | 21:19

    Nice pictures and nice garedns, it make me want to see them trough my own camera one day I don’t think I would be patient enough to develop and scan each pictures I take, that’s why I like my digital camera. I really like to be free and try different things without thinking about money it will cost to develop each interesting try. Buying a medium format or not can only be a decision made by yourself, depending on your photography practices

  5. Quem comentou Arin:
    28/03/2015 | 21:35

    Youre so cool! I dont suppose Ive read atnyhing like this before. So nice to seek out somebody with some original ideas on this subject. realy thanks for starting this up. this web site is one thing that’s wanted on the web, someone with slightly originality. helpful job for bringing one thing new to the internet!

  6. Quem comentou Matthew:
    01/05/2015 | 21:58

    ㅁㄱYour writing is braiillnt, your photography stunning and it turns out that you make gorgeous videos too. You are so talented! Cannot wait to see you and the other star of this video^^ Less than a week!

Deixe o seu Comentário

Seu email nunca será publicado Campos marcado com * devem ser preenchidos

*
*